Home >> E.C XV de Novembro

História

A alcunha de GALO DA COMARCA, segundo apontamento do esportista Manoel do Porto, publicada no Jornal Comércio do Jahu, foi atribuída ao clube em 1931, durante reunião da qual participavam representantes dos clubes que compunham a 3ª ZONA DO CAMPEONATO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE ESPORTES ATLÉTICOS (APEA). Desta chave participavam, além do XV, a AA Barra Bonita, AA Mocoembu (Dois Córregos) e Bocaina F. C. Em não aceitando a posição adotada pelos demais clubes, Manoel do Porto, delegado do XV, provocou a reação do Dr. Antônio Galizia, que representava o Bocaina. O Dr. Galizia, dirigindo-se aos demais, disse: " O XV quer ser o GALO e precisamos quebrar-lhe a "crista". A frase do eminente baririense, na ocasião representando o Onze de Bocaina, teve a pronta resposta de Manoel do Porto, nestes termos: " Então o Sr. quer dizer que o XV quer ser o GALO DA COMARCA?". Dessa tirada filosófica de Manoel do Porto, nasceu a alcunha que é marca registrada do auri-verde Jauense.


Hoje o XV esta consolidado como um dos maiores clubes do interior de São Paulo e do Brasil. Além de um invejável patrimônio físico, sua imagem não tem fronteiras. É respeitado e admirado em todo lugar. É inclusive, centro de referência do futebol Japonês. Demostrando seu pioneirismo, o XV foi o primeiro clube do Brasil a estabelecer convênio com o Japão, tornando-se, em 1984, Clube-Irmão de Shimizu. Esse acordo possibilitou o aparecimento do maior craque da história do futebol japonês, Kazu . Ele foi formado em Jaú, onde chegou com 15 anos e de onde saiu com 18.

kazu

setapracimaazul